10/07/2019

Conheça a matriz elétrica brasileira

Destaque para crescimento das fontes renováveis

É quase impossível imaginar o planeta sem energia, afinal, esse bem essencial atende diversas demandas da sociedade. Pela primeira vez na história, a população mundial sem acesso a eletricidade caiu para menos de um bilhão, como destaca o relatório World Energy Outlook 2018. Fato que demonstra o crescimento do setor. 

A matriz elétrica de um país é responsável exclusivamente pela geração de energia, e atualmente, o Brasil possui 7.439 empreendimentos de energia em operação, totalizando 165.462.927 kW de potência instalada. Neste cenário, as fontes limpas e renováveis somam 80% do total, o que coloca o país como detentor de uma das matrizes elétricas mais limpas do mundo. 

A hidroeletricidade lidera com 63,9% (104,5 GW), seguido da energia eólica com 15,1 GW (9,2%), biomassa com 14,8 GW (9%), gás natural com 13,4 GW (8,1%), petróleo com 9,9 GW (5,4%), carvão mineral com 3,3 GW (2%), solar com 2,1 GW (1,3%) e nuclear com 2 GW (1,2%).

No entanto, levando em conta que mais de 60% de energia é produzida por hidrelétricas, o crescimento das outras fontes é positivo e continua necessário, já que a água é um recurso natural finito. Ao contrário dos ventos e do sol, por exemplo, que são fontes renováveis e ilimitadas. 

Todo esse caminho já está sendo bem pavimentado por uma união de setores diversos e fortes estratégias, que confirmam um futuro mais sustentável. De acordo com relatório de 2018 da Agência Internacional de Energia (AIE), sobre as perspectivas energéticas globais a longo prazo, em 2040, a matriz elétrica nacional será composta por 96% de energias baixo carbono. 

 

Dados levantados por: ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), EPE (Empresa de Pesquisa Energética) e ABEEólica (Associação Brasileira da Energia Eólica).